Sabe utilizar o Círculo Dourado?

Sabe utilizar o Círculo Dourado?

Sabe utilizar o Círculo Dourado? De Márcia Monteiro

O conceito do Círculo Dourado ficou conhecido através de Simon Sinek quando publicou o livro “Starts With Why”. Desde então, muitos profissionais de marketing têm utilizado a metodologia do autor.

Vejamos o seguinte exemplo: vamos imaginar que existem 2 marcas de automóveis com veículos semelhantes, com as mesmas características e com a mesma disponibilidade no mercado. No entanto, uma dessas marcas vende mais do que a outra, apesar dos automóveis serem semelhantes. As perguntas que temos que colocar neste momento são: Porquê? Como? O quê? É exatamente nesta ideia que se baseia do Círculo Dourado: a primeira pergunta (porquê?) surge no centro do círculo, seguido do “como?” e “o quê?”, exatamente por esta ordem. o “porquê?” exprime a razão pela qual aquele produto foi criado, o “como?” caracteriza o grande fator diferenciador da concorrência e “o quê?” diz respeito ao que a marca faz, quais os produtos, serviços e funcionalidades. Assim, Sinek propõe que os empreendedores, mudem a forma como vêm os negócios. Antes de colocarem o foco no “o quê?” e no “como?” devem começar pelo “porquê?”. Faça estas perguntas a si mesmo(a): por que é que a sua marca existe? Qual é o propósito? Qual é a causa? Qual é o meu sonho? É exatamente isto que irá diferenciar a sua marca das restantes.

Sinek diz que a explicação do Círculo Dourado é biológica, ou seja, o cérebro sob a secção transversal possui regiões, assim como o Círculo Dourado. O neocórtex, parte mais externa, é a parte que diz respeito à linguagem e ao pensamento racional e analítico. Representa o “o quê?” do Círculo Dourado. Já o sistema límbico, situado internamente no cérebro, não está relacionado com a linguagem mas sim com os sentimentos e os nossos comportamentos para a tomada de decisão.

Para explicar o Círculo Dourado na prática, Sinek usou alguns exemplos clássicos como o caso da Apple, na conferência do TED Talks:

“Se a Apple fosse como todos os outros, possivelmente usaria uma mensagem publicitária do género: “Nós fazemos excelentes computadores, com um design elegante, de utilização fácil e intuitiva. Deseja comprar um?” É assim que a maioria das pessoas comunica. É assim que se faz a maior parte do marketing e como a maior parte das vendas são feitas. E é assim que nós comunicamos habitualmente. Dizemos o que fazemos, como somos diferentes ou como somos melhores e esperamos um certo tipo de comportamento, uma compra, um voto, algo assim” afirmou Sinek. Acrescentou ainda que “em tudo o que fazemos, acreditamos que estamos a desafiar o status quo. Nós acreditamos em pensar diferente. Nós desafiamos o status quo através de um design elegante, de utilização fácil e intuitiva. Por acaso fazemos excelentes computadores. Deseja comprar um?”. Tudo isto para dizer que as pessoas sentem-se muito mais motivadas a comprar. E o que é que foi feito? Apenas existiu a inversão da ordem dos fatores. Por essa razão surgiu uma das frases de Sinek mais partilhada pelo mundo: “As pessoas não compram o que fazemos, mas sim a razão pela qual o fazemos”.

Márcia Monteiro – MA Marketing Course Leader
London School of Design and Marketing

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *